Fraudadores se especializam cada vez mais em engenharia social, criando armadilhas sofisticadas e que podem enganar facilmente. Mas isso não quer dizer que golpes menos óbvios, dentro e fora do mundo digital, não ocorram.

O conto do vigário

Você provavelmente já ouviu essa história, mas não deve reconhecer o nome. O conto do vigário nada mais é do que criar uma história elaborada com o intento de enganar alguém e um artifício muito utilizado por fraudadores é o do falso bilhete premiado.

Tudo começa quando com uma abordagem: uma pessoa, aparentando estar confusa, diz ter em mãos um bilhete de loteria premiado, porém afirma não conseguir trocá-lo por não ter uma conta em banco para o depósito do valor.

De forma persuasiva, esse indivíduo demonstra confiança na possível vítima, mostrando-se disposto a receber o pagamento de parte do valor do prêmio em troca da entrega do bilhete premiado, que daria ao abordado a chance de levar para casa a premiação integral.

A maior parte das pessoas acaba desconfiando da história e decide seguir com sua vida, é aí que surge um segundo fraudador. Dessa vez, uma pessoa que aparenta ser mais instruída e com dinheiro.
Esse terceiro elemento diz que prestou atenção na conversa e confirma a história, afirmando ter visto aquele bilhete específico ser sorteado.

Por fim, ele declara que adoraria ajudar e se oferece para pagar metade do valor combinado, dividindo assim o valor a ser pago ao fraudador que se diz sorteado com o intuito de também receber o prêmio acordado.

Nesse momento, a história fica um pouco mais provável, com duas pessoas acreditando ter uma incrível oportunidade de negócio.

Exemplificando: se o prêmio do bilhete falso fosse de R$ 100 mil, cada um desembolsaria R$ 20 mil reais para o sorteado e, posteriormente, teriam direito a R$ 50 mil por pessoa.

Utilizando-se da manipulação moldada pela oferta irrecusável, é justamente no meio dessa situação que os golpistas exigem uma decisão rápida para que a vítima caia.

Movidas pela situação, algumas pessoas até chegam a entrar no carro dos fraudadores e sacam dinheiro em vários lugares tendo em mente a promessa de receber um valor muito maior que o investido.

Após conseguirem levantar o dinheiro, a vítima é abandonada pelos golpistas, que prometem trocar o bilhete para concluir a negociação, o que, é claro, não ocorre.

 

Golpe do Don Juan

A internet proporciona algumas histórias de amor que superam até a distância, unindo duas pessoas, apesar dos quilômetros entre elas. Infelizmente, nem sempre essas belas narrativas têm final feliz.

O Golpe do Don Juan também é chamado de O Golpe do Soldado Americano ou O Golpe do Estrangeiro, pois nesse tipo de ação há casos em que os fraudadores se passam por pessoas que vivem em outros países.

Normalmente, os golpistas se dizem realizados, com bom emprego, afirmam morar em lugares incríveis e possuir muitos hobbies. O maior problema nesse tipo de falcatrua é que esses fraudadores aprisionam suas vítimas gradualmente.

Do dia para noite, o fraudador alega estar com dificuldades financeiras e outros problemas, mostrando-se desesperado com a possibilidade dessas questões impactarem o almejado encontro entre os dois, jogando, assim, a isca para que a própria vítima faça o que for necessário para solucionar o que está no caminho.

Não é incomum que o golpista peça ajuda financeira para comprar passagem, custear um visto ou qualquer outro tipo de gasto. Os pedidos começam a escalar e, a cada dia, o fraudador extorque mais dinheiro.

Há pessoas que entram em dívidas e até mesmo se desentendem com familiares e amigos próximos que tentam alertar sobre o envio de dinheiro para um desconhecido, mas com o constante assédio e promessas do fraudador que já captou a atenção da vítima, às vezes não é tão fácil tirá-la dessa situação.

Pacote dos dados gratuitos

É comum ver promoções de novas operadoras que prometem pacotes de internet como bônus na compra de um chip. A ideia desse golpe é bem similar, porém, as vítimas não recebem nada em troca.

Os fraudadores abordam pessoas, normalmente através do ambiente online, com e-mails ou anúncios em sites, oferecendo em troca um pacote de internet para usufruir como quiser se a vítima participar de uma pesquisa rápida.

Em alguns casos, para complementar a persuasão, eles associam a enquete a uma causa nobre, que busca ajudar um grupo de pessoas. Ao clicar nesse tipo de anúncio, a vítima é induzida a acreditar que está contribuindo com algo. O problema ocorre quando é solicitado um breve cadastro para prosseguir e obter o pacote de dados gratuito. Algo simples, que solicita nome, CPF e telefone.

Ao preencher os dados, nada acontece. O link de acesso torna-se indisponível e a vítima nunca receberá qualquer tipo de bonificação.

Nesse caso, o mínimo que pode acontecer é os fraudadores terem acesso a dados pessoais, porém, CPF e telefone são informações sensíveis e que podem ser usadas em golpes futuros.

É preciso ter atenção com a oferta de benefícios mediante pouco esforço. A Grafeno ressalta também sobre os riscos de acessar links estranhos, que muitas vezes trazem com eles malwares e outros tipos de vírus, que podem, por si só, ser uma grande dor de cabeça.

Golpe da selfie

Não é estranho que algumas plataformas peçam uma selfie do usuário segurando um documento de identificação durante o cadastro. Essa é uma ferramenta de segurança que serve para provar que a pessoa é realmente dona desses dados. Alguns vendedores também aplicam essa técnicas em lojas online e, para o azar de todos, alguns fraudadores também.

Apesar de simples, esse golpe conta com uma estratégia sofisticada para roubo de dados. Imagine a seguinte situação: ao adquirir um produto através de uma loja de e-commerce, o vendedor solicita ao comprador que envie sua foto segurando algum documento para garantir sua identidade antes que seja emitida uma nota fiscal.

Se aceitar essa condição, o comprador pode até receber o produto, mas estará fornecendo ao vendedor, que no caso é um fraudador disfarçado, uma coisa muito mais valiosa: os próprios dados no documento que segura. Dessa forma, essas informações podem ser utilizadas em diversos golpes, como a criação de documentos falsos.

Segurança com a Grafeno

São inúmeras as situações em que o usuário está exposto a golpes, é preciso estar atento e contar com instituições confiáveis. A Grafeno tem como pilares a segurança e qualidade, para saber mais sobre a conta da Grafeno, envie um e-mail para comercial@grafeno.digital ou entre em contato via telefone pelo número (11) 3181-6112.

 

Comentários